Educação financeira para iniciantes: saiba mais!

Educação financeira

Se você não sabe muita coisa sobre educação financeira mas reconhece que esse é o caminho certo para se seguir em busca da estabilidade, saiba como iniciar sua trajetória no universo do dinheiro aqui:

Um dos principais obstáculos na hora de fazer a conexão de qualquer tipo de conhecimento, no atual momento, é a enorme quantidade de informações que existem acerca dele. 

Ao procurar saber mais sobre algum tema ou assunto específico, muitas vezes nos deparamos com o volume absurdo de materiais informativos que existem relacionados a estes assuntos. Fazendo referência à Educação Financeira, isso não poderia ser diferente, já que o dinheiro sempre foi um fator gerador de conteúdo em inúmeros contextos.

Considere que uma pessoa queira mudar positivamente a situação de suas finanças pessoais e procure a internet para auxiliar na busca de informações que possam ser utilizadas neste processo de mudança. 

Ao fazer uso de algum mecanismo de busca, você irá se deparar com uma enorme diversidade de Sites, Blogs, artigos e até trabalhos científicos, tratando dos mais variados temas e de qualidades diversas. Se uma pessoa já tinha problemas relacionados às suas finanças, pois bem, ela acaba de arrumar outro: não saber como selecionar o conteúdo adequado à sua real necessidade. 

Partindo deste raciocínio, buscamos criar esse artigo, para ser um tipo de manual de instruções para quem deseja iniciar o processo de organização de seu dinheiro através Educação Financeira. 

Educação financeira em 8 passos

Sabemos que o estado habitual de quem possui uma vida financeira saudável é estar sempre um passo à frente na hora de controlar o seu dinheiro. 

Desta forma se torna muito mais fácil fazer investimentos pessoais e de negócios, visando proporcionar uma vida desejável com qualidade para você e para as pessoas que você gosta.

Pensando nisso, listamos alguns passos que devem ser seguidos para quem está iniciando e deseja garantir uma vida financeira estável. Confira:

1º passo: ter uma ou mais rendas

Assegurar um ganho fixo, variável ou extra, é primordial para que você possa iniciar o processo de organização das suas finanças. Para lidar com o dinheiro, inicialmente é necessário tê-lo. 

Ao gerar uma renda rotativa, será possível notar o surgimento de inúmeras necessidades, uma delas é a de dominar alguns conhecimentos, a fim de aplicá-los em benefício do aumento da sua rentabilidade.

Observar como o fluxo do seu orçamento se comporta, te possibilita colocar as mãos no volante e apontar com cautela e responsabilidade para onde você deve direcionar o seu dinheiro, para que ele possa ser trabalhado, gerando cada vez mais. 

Nos dias atuais, em que o empreendedorismo se tornou o principal responsável pela geração de empregos e rendas para as pessoas, começar a pensar em investir pode ser uma excelente saída para a criação de novas rendas. No entanto, o empreendedorismo, diferente de outras formas de ganhar dinheiro, exige mais determinação, uma vez que os resultados dependem única e exclusivamente do esforço introduzido nesta modalidade. 

2º passo: tente economizar

Se você é adepto a esse método em sua rotina financeira pessoal, você tem excelentes chances de ser um empreendedor de sucesso.

Conseguir prever folgas nas suas receitas, em relação aos gastos e despesas, é o alicerce para que sejam possíveis seus próximos passos diante da educação financeira. À medida que você adota uma postura de quem se preocupa em economizar, visando assegurar a constância da sua renda, você garante não só a segurança das suas finanças, mas também a sua segurança pessoal, conseguindo sustentar qualquer tipo de imprevisto que possa aparecer. Além de fortalecer cada vez mais a forma com que você lida com as surpresas.

3º passo: seja inimigo do consumismo

Consumir, hoje em dia faz parte do sistema em que vivem a maior porcentagem dos seres humanos. Necessidades como ter acesso a comida, casa, banho, conforto, eletrodomésticos, produtos eletrônicos, serviços de saúde e educação, são requisitos mínimos para se ter uma vida confortável.

Porém, o conceito de consumismo, por sua vez, parte da ideia de “consumo desenfreado”. Com a sociedade vivendo sob regime capitalista, o bombardeio de propagandas ao qual somos submetidos, nos causa confusão e passamos a considerar como prioridade investimentos e aquisições desnecessárias. Somente através de uma boa reflexão e educação financeira, podemos concluir o que pode ser tratado como primordial para o seu bem-estar e o que pode ser considerado supérfluo. 

4º passo: planeje

Algumas pessoas podem ficar assustadas ao lerem as palavras “planejamento financeiro”, mas não se preocupe, pois elas não são um bicho de sete cabeças, muito pelo contrário. Através de um planejamento financeiro é possível descomplicar as formas de cuidar do seu dinheiro, principalmente para quem está iniciando.

Exemplificando de forma resumida como dar início ao seu planejamento, escreva num papel o valor da sua renda mensal, após isso se questione se suas despesas são maiores ou menores que esse valor – obviamente suas despesas devem ser menores que o valor total da sua renda. 

Se por algum motivo seus gastos ultrapassem este valor, faça um balanço das suas despesas cortando aquelas que não são de suma importância para você.

As suas despesas devem ser sempre menores que as suas receitas. Desta forma será possível garantir investimentos e ter dinheiro sobrando para não sofrer com possíveis eventualidades.

5º passo: defina despesas prioritárias

Como comentado no 4º passo, conhecer formas de trabalhar o seu orçamento entre receita e despesas é a maneira mais inteligente de evitar que seu bolso te deixe na mão na hora de maior necessidade, mas não é só isso, ter esse tipo de controle te possibilita utilizar a principal ferramenta para assegurar finanças saudáveis, que é o próprio dinheiro.

Se você deseja fazer um investimento buscando se consolidar em algum tipo de mercado e não tem uma renda extra para dar o pontapé inicial, economizar será a melhor opção de fazer. Para isso, é importante listar e priorizar algumas despesas, criando uma hierarquia entre os gastos, dos mais necessários aos mais supérfluos e fazendo cortes daqueles que não estão agregando funcionalidades efetivas no seu dia-a-dia.

6º passo: evite empréstimos

Esse passo será bem simples de explicar – Não faça nenhum tipo de empréstimo se não for para financiar algum investimento que aumente a sua produtividade e o aumento das suas receitas. 

Empréstimos, em sua grande maioria geram taxas absurdas e no final se tornam despesas que causam enormes prejuízos. Portanto, evite fazer empréstimos com o objetivo de apenas consumi-lo, fazer investimentos com esse dinheiro irá diminuir ou até mesmo extinguir as chances de algum constrangimento financeiro.

7º passo: economize

Há dois tipos de perfis: os das pessoas que gastam tudo que têm e vivem em meios a muitas dívidas e as que guardam dinheiro e com o objetivo de realizar seus projetos. 

O conselho que damos, é que você busque se encaixar no segundo perfil. Economizar  dinheiro não é característica de pessoas avarentas, é característica de pessoas prósperas.

Digamos que você invista em um imóvel, e pegue um financiamento para pagar em 25 anos, o custo mensal com as parcelas pode caber no seu bolso. A questão é que, após 25 anos, com as taxas cobradas nesse tipo de investimento, você provavelmente terá pago o valor de pelo menos 3 imóveis.

Se, ao invés disso, você investir o mesmo valor mensal dessa parcela por 10 anos em aplicações financeiras, há enormes chances de você conseguir comprar aquele mesmo imóvel à vista e com desconto. 

Suponhamos, que você tenha uma doença no decorrer desse período. Se tiver o dinheiro que você economizou guardado, essa será a sua reserva de segurança, podendo utilizá-lo para esta emergência.

A partir destes exemplos, cabe a você imaginar que outras escolhas você pode fazer para fazer uma utilização saudável da sua renda.

8º passo: Invista seu dinheiro

Quando você define sua lista de prioridades, classifique os investimentos como indispensáveis, logo após as suas despesas mais necessárias. Investimento é considerado tudo aquilo que você adquire para aumentar seu orçamento.

Quando você contrata um curso profissionalizante, por exemplo, você vai estar investindo na sua educação, que futuramente trará resultados positivos para sua realidade. A mesma coisa acontece quando você compra um novo dispositivo para aumentar a sua produção ou quando faz uma aplicação na bolsa de valores.

Seguindo as dicas acima com inteligência e se aprofundando cada vez mais nos conhecimentos financeiros, você terá embasamento suficiente para assegurar que os resultados dos seus investimentos serão de muito sucesso.

Qualquer gasto que não dará um retorno no futuro não é considerado investimento. Portanto, sempre que puder, invista. A melhor forma de usar seu dinheiro não é consumindo, mas investindo no futuro.

Não quer dizer que você não possa consumir nunca, pois trabalhamos para usufruir do dinheiro, correto? Trata-se, apenas, de estabelecer uma hierarquia de prioridades.

Back To Top
%d blogueiros gostam disto: